O andador salvador

Julho 8th, 2011

Numa breve passagem por uma praia da nossa costa deparei-me com vários papéis colados nos acessos à mesma, onde constava a singela frase, inscrita a negrito sobre papel branco, “Só Jesus salva!”.

Pensei inicialmente que se tratava de mais uma iniciativa evangélica, aproveitando o aumento do fluxo de pessoas para as praias, normal na época balnear, para difundir a sua mensagem de fé.

Só depois se fez luz e percebi que aquilo se tratava na verdade de um aviso muito mais sério do que à primeira vista aparenta, e a localização dos cartazes ganha assim uma pertinência que já perceberão.

Estes cartazes têm certamente a ver com mais um caso de “lobo em pele de cordeiro” e alertam-nos para o facto de o demónio estar a prestar um serviço aparentemente útil com segundas intenções, imiscuindo-se assim num trabalho que só a Jesus compete.

Refiro-me obviamente à função do nadador salvador.

Vejam bem ao ponto a que chega Belzebú, e quão retorcido é o seu pensamento!

Distribui pelos vastos areais uma série de jovens em boa forma física, tonificados, fazendo explodir as fantasias e a líbido da população adolescente, dando-lhes simultaneamente uma aparência de valorosos heróis que nadam para salvar as almas daqueles que têm o infortúnio de se deparar com um possível afogamento, granjeando assim o apoio geral da população e tornando-os aceitáveis – diria mesmo indispensáveis – até para a mais fiel das beatas.

Ora isto tem um efeito muito pernicioso, porque o comum mortal tem dificuldade em se aperceber da perversidade desta cartada decisiva na grande batalha da fé, que os leva a crer que mais alguns terão o “poder” de salvar as pessoas, diminuindo assim a crença em Jesus e o regular recurso aos seus préstimos.

Estes cartazes são pertinentes porque nos trazem à memória que só Jesus pode efectivamente salvar essas pessoas.

E nem precisa para isso de nadar, porque é sabido que lhe basta caminhar sobre as águas para proceder à salvação das suas  demolhadas ovelhas, sendo portanto muito mais eficiente e cansando-se muito menos.

O mais impressionante disto tudo é a subtileza com que Lúcifer trabalha, senão reparem bem: a expressão encontrada para definir a função destes jovens – o “nadador salvador” – advém da troca simples das duas primeiras letras da expressão que poderia definir Jesus quando este faz alguma intervenção no meio aquático – o “andador salvador”.

Subliminar mas de uma força a toda a prova esta camuflagem linguística, que prova que no que toca ao surripianço de almas tudo vale lá para os lados dos infernos.

Tenham pois muito cuidado quando estiverem na praia, desconfiem dos nadadores salvadores e façam as vossas orações antes de entrar na água, para que possam usufruir da linha directa para o verdadeiro socorro (0800 – JESUS), que está directamente ligada à central divina.

Portugal não opina

Junho 7th, 2011

Uma grande parte dos meus concidadãos absteve-se de exercer o seu direito (e dever cívico, nunca é demais relembrar) de voto no último domingo, e isso é um fenómeno que me preocupa.

Há até quem se orgulhe de uma abstinência eleitoral prolongada, como se a sua opinião fosse tão importante que não merecesse ser partilhada com o resto do País.

São autênticos missionários do abstencionismo político, numa espécie de Cruzada, mas ao contrário, já que se recusam a fazer cruzes.

As pessoas queixam-se dos estado da nossa democracia e não participam, mas esquecem-se que é exactamente essa falta de participação que a levou a chegar ao seu estado actual.

Aflige-me viver num País em que será necessário haver uma tempestade de proporções bíblicas, um terramoto, uma peste ou uma série de fuzilamentos colectivos para haver uma grande afluência às urnas.

A participação cívica está a esvaziar-se rapidamente no associativismo, na solidariedade, nas manifestações culturais e até mesmo na religião, onde os portugueses se assumem secularmente como católicos… mas hoje em dia são não-praticantes.

A julgar pela baixa taxa de natalidade do nosso País, e assistindo a esta tendência pouco participativa das nossas gentes, começo até a pensar que apesar de se afirmarem na maioria heterossexuais, talvez os portugueses se fiquem só pela treta também neste campo.

Em suma e num desabafo: é triste viver num País em que não se opina.

 

PEZ Cristão

Dezembro 6th, 2009
Por causa da gripe A surgiu nos Estados Unidos (onde mais?) a ideia de criar um distribuidor de hóstias, para ajudar os padres a minorar o risco de contacto com os portadores do vírus.
O utensílio de distribuição é feito em ouro ou prata, e lá são introduzidas diversas hóstias para depois serem distribuídas durante a comunhão, permitindo assim que o sacerdote evite pegar na hóstia com a mão.
Em vez disso, pressiona um manípulo que faz sair uma hóstia para a mão ou para a boca de que vai comungar.
Reparem no potencial de negócio que isto representará para a conhecida marca PEZ, que já distribui desta forma as guloseimas há imensos anos.
Já têm o know-how e a cadeia de distribuição bem montada e portanto, aproveitando a onda, poderão lançar um modelo de PEZ Cristão, dando ainda mais força ao negócio.
Parece que já estou a ver os slogans promocionais “PEZ na Terra aos homens por Ele amados” ou “Vão com PEZ e que o Senhor vos acompanhe” ou ainda “Dou-vos o PEZ, levem o meu PEZ” acompanhados por uma imagem do dispensador, que poderá ser semelhante ao de baixo.

Red Bull Air Race afasta fanáticos religiosos

Setembro 15th, 2009
Ao observar a lista de pilotos do Red Bull Air Race apercebi-me que não havia nenhum piloto árabe ou que pelo menos aparente devoção pelo Islão.
Isto não será à toa, seguramente, porque o objectivo é passar no meio de duas torres sem lhes tocar e não se ganha pontos por fazer um “desvio” para a multidão e gritar “Allahu Akbar!“, descendo vertiginosamente contra ela.
O prémio final não passa por ter 70 virgens à espera deles, e esse é um factor desmotivador para qualquer fundamentalista islâmico que se preze, que não competirá por menos que isso.
A organização tem que cortar em alguns custos e então, modestamente, só pode dispor de três meninas da Red Bull a acompanhar os pilotos no pódio… e não consta que fiquem com eles para todo o sempre.
Além disso, não estão coladas ao frigorífico e por isso presumo que já não têm hímen.
Vamos pensar positivo e assumir que vamos poder continuar a ver este evento anualmente, descansadinhos e sem nenhum acidente, com pilotos religiosamente moderados, porque o espectáculo é espantoso.