Lar de alterne

Janeiro 12th, 2011

Poucos negócios terão conhecido um crescimento tão acentuado nos últimos anos como os dedicados aos gerontes.

Lares de terceira idade, centros de dia, universidades e turismo sénior, são negócios em franca expansão e com uma enorme margem de progressão ainda.

Poucos negócios se terão mantido tanto no tempo, com tanta procura e com tanta margem de lucro como os que gravitam em torno do sexo.

Bordéis, pornografia, revistas eróticas, bares de alterne, são negócios que perduram, francamente consolidados nos hábitos de consumo a nível mundial.

Se está numa fase da sua vida em que procura um investimento seguro, deve pensar seriamente em juntar estas duas realidades.

A solução ideal para conciliar estes dois ramos de negócio seria a criação de um espaço residencial designado de “lar de alterne”, onde só se admitissem clientes de terceira idade com vontade de estar permanentemente rodeados de profissionais do sexo.

Estas profissionais teriam que receber a devida formação em primeiros socorros e suporte básico de vida – indispensáveis a quem trabalha o mercado sénior – mantendo a linguagem ousada e provocante e a maquilhagem exagerada, ao mesmo tempo que partilhariam a ingestão de bebidas soft, cocktails e medicamentos, em são convívio com os residentes.

Teriam também a tarefa de lhes cuidar da higiene diária, mas sempre vestindo roupa sexy e ordinária, que estimule a velha libido.

Os idosos receberiam uma mesada para gastar, em notas com a marca própria do lar, de modo a fornecer um toque de realismo à relação cliente/alternadeira.

Sucesso garantido, até porque a rotatividade dos clientes teria tendência a ser maior dos que nos tradicionais lares de terceira idade, devido às fortes sensações a que os anciãos estariam sujeitos.

Ou então não.

Se calhar até era aí que se encontraria o segredo da eterna juventude.

Prostitutas com colete

Novembro 4th, 2010

Aparentemente não falta quem queira que a prostituição seja bem sinalizada.

Depois de terem sidos colocados sinais verticais em Treviso (Itália) a indicar a sua presença, é agora a vez de Els Alamús, perto de Lleida (Espanha), adoptar uma lei que obriga as prostitutas de rua a usar um colete reflector (ou chalecos, como eles dizem), alegadamente para diminuir os riscos de atropelamento.

Ora o que é que isto gera?

Que o incauto condutor, ao deparar com um brigada de coletes depois de uma curva, pense que se trate de uma operação policial e exclame “Tou fo&1&o!”.

E depois apercebe-se que só está se quiser, e pagar por isso.

São as regras básicas de higiene e segurança no trabalho a serem aplicadas à mais antiga profissão do mundo, o que está, a meu ver, muito bem visto.

O passo a seguir será obrigá-las a fornecer ao cliente um “capacete” certificado, serem consultadas regularmente pela medicina no trabalho, usarem sapatos de tacão de biqueira de aço, soutiens à prova de bala, protecções bocais e luvas esterilizadas aquando do contacto oral ou manual com o órgão do cliente, além de elas próprias terem que ver os seus procedimentos certificados pela norma ISO 9001:2008.

Eu acho que elas deviam também aproveitar esta oportunidade para usar os coletes para a comunicação, estampando neles, com letras reflectoras, todas as suas mais valias e promoções,  seguindo a estrutura herdada dos anúncios de relax da escola do marketing prostitucional “Paloma, cachonda de 19 añitos, culazo, pecho XXL, griego profundo, 30 chalequitos”.

Atenção! Prostitutas

Abril 8th, 2010

Já ouviram dizer que determinada mulher anda “ao ataque”, para identificar uma senhora que  disponibiliza o seu corpo para usufruto e prazer alheio, a troco de dinheiro?

Parece que em Treviso as autoridades levam esta “ameaça” muito a sério.

Tão a sério que até já criaram um sinal de trânsito que identifica as zonas onde elas normalmente podem ser encontradas.

Nós por cá temos um sinal idêntico, só que aparece uma vaca desenhada… em vez de uma senhora de salto alto, mini-saia, cabelo solto, busto generoso e bolsinha na mão.

Apesar dos pontos em comum, como a distribuição cromática, quer-me parecer que talvez estes dois sinais não tenham a mesma finalidade.

O objectivo deste sinal é para mim um bocado confuso, porque duvido que as senhoras em questão se atirem para a frente dos carros em andamento, provocando acidentes e estragos nas viaturas.

Será que as autoridades querem dar esta informação da mesma forma que avisam que mais à frente se pode encontrar um posto de abastecimento?

Ou é uma forma de incentivo ao negócio das senhoras, para que nenhum condutor passe sem se aperceber que elas estão lá, aumentando assim as hipóteses de angariar novos clientes?

É que de facto é muito difícil uma pessoa aperceber-se, porque elas normalmente vestem roupas muito discretas, e um tipo anda tão atento aos sinais que nem nota que está uma mulher com um cinto-saia vestido e a abanar os seios na berma da estrada!

Talvez seja também uma sinal de informação turística, não vá um visitante estrangeiro pensar que as senhoras são religiosas ajoelhadas à procura de doações.

Pode ser só fetiche de algum funcionário camarário que prefere as mulheres com sinais, mas seja qual for o motivo, e mesmo não estando legalizadas, ao menos estão bem sinalizadas.