Portugal não opina

Junho 7th, 2011

Uma grande parte dos meus concidadãos absteve-se de exercer o seu direito (e dever cívico, nunca é demais relembrar) de voto no último domingo, e isso é um fenómeno que me preocupa.

Há até quem se orgulhe de uma abstinência eleitoral prolongada, como se a sua opinião fosse tão importante que não merecesse ser partilhada com o resto do País.

São autênticos missionários do abstencionismo político, numa espécie de Cruzada, mas ao contrário, já que se recusam a fazer cruzes.

As pessoas queixam-se dos estado da nossa democracia e não participam, mas esquecem-se que é exactamente essa falta de participação que a levou a chegar ao seu estado actual.

Aflige-me viver num País em que será necessário haver uma tempestade de proporções bíblicas, um terramoto, uma peste ou uma série de fuzilamentos colectivos para haver uma grande afluência às urnas.

A participação cívica está a esvaziar-se rapidamente no associativismo, na solidariedade, nas manifestações culturais e até mesmo na religião, onde os portugueses se assumem secularmente como católicos… mas hoje em dia são não-praticantes.

A julgar pela baixa taxa de natalidade do nosso País, e assistindo a esta tendência pouco participativa das nossas gentes, começo até a pensar que apesar de se afirmarem na maioria heterossexuais, talvez os portugueses se fiquem só pela treta também neste campo.

Em suma e num desabafo: é triste viver num País em que não se opina.

 

D. Lusa

Abril 22nd, 2011

A estória que hoje tenho para partilhar convosco não é nada alegre, é uma estória que me deixa perplexo perante um cenário incompreensível.

D. Lusa namorou 7 anos com aquele que viria a ser o seu marido, separaram-se momentaneamente por vicissitudes da vida, mas ao fim de pouco tempo o amor falou mais alto e são já casados há 6 anos.

O que a seduziu nele foi a sua imagem de galã, a sua facilidade de comunicação, os seus planos para um futuro risonho, a segurança que dele emanava e a certeza de que ao seu lado tudo seria um mar de rosas.

No início, como em tudo na vida, as coisas correram aparentemente bem, mas ao fim de algum tempo a máscara começou a cair e a arrogância do marido veio acompanhada de violência verbal, rompimento de promessas, gastos com coisas supérfluas e esbanjamento com os amigos dele, mentiras, pressões para ela não dizer nada a ninguém, traições, vícios vários, tornando o ambiente insuportável e insustentável, espoliando-a dos seus recursos financeiros e da estabilidade que tinha adquirido com o tempo e deixando-a sem dinheiro sequer para tratar da educação ou saúde dos seus filhos, com dificuldades até para lhes garantir o pão futuramente e marcas muito profundas, que dificilmente serão saradas.

D. Lusa é uma mulher bonita, muito bonita, com valores morais centenários, de boas famílias, desejável para qualquer homem, e portanto não lhe faltaram, ao longo da sua vida e até hoje, pretendentes ao lugar de seu marido.

Com o passar do tempo tornou-se no entanto numa mulher acomodada, sujeitando-se aos vários abusos sem retorquir, fechando os olhos aos sinais, ignorando as evidências e rezando muito, só rezando, para um dia acordar de um sonho mau e regressar ao seu mundo idealizado.

Apesar do mal estar sufocante, de ter a certeza de que o marido é mau para ela, pensa que todos serão como ele e que não vale a pena aspirar a algo melhor, porque fatalmente irá redundar no mesmo tipo de pessoa.

Nem lhe passa aparentemente pela cabeça abandonar o seu marido, fiel a uma teimosia dolorosa, que a arrasta cada vez mais para o fundo.

Nada fez para o denunciar às autoridades e responsabilizá-lo pelo estado miserável a que a sua vida chegou, como é comum nas mulheres vítimas de violência doméstica, e só com muita pressão externa foi forçada a revelar a realidade do seu quotidiano.

Quando questionada sobre a sua relação, depois de expostas publicamente todas as fragilidades do seu casamento e abusos a que foi sujeita, D. Lusa encolheu os ombros, resignada ao seu fado, e disse que não queria apresentar queixas, e mais, sabe-se agora, comentou que ponderava manter no futuro a relação com o seu marido.

A única certeza que tem na sua vida é que o seu marido a maltrata, mente descaradamente e continuadamente abusa dela.

O futuro ao seu lado é doloroso e negro, mas nem sequer lhe passa pela cabeça mudar, porque acredita que os outros também devem ser da mesma laia.

Serão, talvez – nada dá certezas do contrário-, mas ainda haverá uma réstia de esperança de que pelo menos o seu próximo parceiro não seja tão mau.

Porque teima em não mudar?

Será assim tão estranho ter vontade de procurar alguém diferente, que lhe possa trazer felicidade e prosperidade?

E porquê limitar-se a ouvir só os homens do seu bairro?

Porque não viajar ao bairro vizinho, ao das casinhas pequenas, na esperança de encontrar alguém que satisfaça as suas necessidades e que pelo menos a respeite, trabalhe para lhe dar um futuro consistente e a ajude a eliminar a erva daninha do seu jardim?

Como é possível que esta mulher se permita ficar agarrada a quem tão mal lhe tem feito, sem se revoltar contra ele, sem se insurgir com quem a magoa?

Como é possível que esta mulher se acomode a uma relação podre, sem esgotar todas as alternativas e partir para a luta, determinada como os seus antepassados e senhora do seu futuro?

Estou amargurado porque gosto imenso da D. Lusa e a vejo apática e sem esperança, frustrado porque não consigo fazê-la entender o óbvio, incrédulo por vê-la perpetuar um erro.

O meu apelo para a D. Lusa é o seguinte: não premeie quem mal lhe fez mantendo uma relação que já tanto a magoou, arrisque mudar, abra os olhos e procure novos caminhos, procure fora dos caminhos habituais, porque esses já estão caminhados, recalcados e esburacados.

Dê uma volta à sua vida, aproveite para limpar a casa, areje-a, decore-a de novo e escolha um novo marido que a ajude a ser feliz como merece!

Tenho saudades de a ver bonita, tranquila, confiante e orgulhosa, quero vê-la de novo a sorrir.

Profissão: Nativo

Março 3rd, 2011

Há pessoas neste Mundo cuja profissão é simplesmente ser nativo.

A sua missão é ficar parados o dia todo junto da sua casa típica, envergando um traje tradicional e cumprimentando em dialecto local os turistas, que procuram desesperadamente uma foto-troféu com o indivíduo, exibindo-as posteriormente como se tivessem pescado um espadarte de sete metros na rebentação das ondas provenientes do mar alto.

Os rendimentos dos nativos vêem da contribuição dos turistas que museificam estas pessoas no seu habitat natural, remunerando-os por se manterem “originais” – ainda que os artesanato local que vendem seja fabricado na China, a comida que oferecem comprada numa grande superfície ou os seus trajes obtidos numa loja de disfarces de Carnaval.

A fuga do seu padrão de comportamento expectável será tão surpreendente como um peixe decidir fumar um charro dentro de um aquário, fazendo bolinhas com a boca e dissertando sobre a filosofia de Nietzsche, e por isso não se recomenda.

Esta é a razão porque a ASAE nunca conseguiu vingar na internacionalização, porque se a ASAE se internacionalizasse os índios deixariam de poder fumar o cachimbo da paz, os asiáticos deixavam de vender insectos fritos na rua e os cubanos não mais enrolariam os charutos em cima das coxas de mulatas.O nativo de sucesso é, porém, aquele que não se limita a estar, mas que é pró-activo e criador de pontos de interesse turístico, por exemplo transformando uma simples rocha com uma forma curiosa num bisonte que aí sofreu um desgosto de amor e que enfurecido saltou do penhasco para se suicidar, sendo salvo pela intervenção de um deus local do amor que o rochificou antes que chegasse ao mar.

A natividade (não confundir com o nascimento de Cristo), ou nativismo, encontra maior expressão usualmente nos países economicamente menos desenvolvidos ou em crise, sendo por isso uma profissão de futuro no nosso burgo.

Por isso acho que deveria ser uma prioridade do POPH, cujos responsáveis têm que abrir os olhos para esta realidade e apostar na formação e qualificação de cada vez mais nativos lusos como reforço da oferta turística nacional.

Podem contar com a minha modesta contribuição, já que planeio no futuro deixar crescer o buço às minhas filhas e vestilas de saias pretas, com o devido lenço negro e cesto de vime à cabeça, enquanto os meus filhos usarão desde novos um bigode empatilhado, um garruço, palito na boca e uma sachola.

Vou pô-los a viver num palheiro junto da corte das vacas, para que não lhes falte nada e sejam nativos de sucesso e reconhecidos mundialmente.

Segurança nata

Novembro 19th, 2010

Estive ontem à noite naquele que é apontado como o sítio mais seguro do mundo neste momento, no Parque das Nações, em Lisboa, onde vai decorrer a Cimeira da NATO.

Cheguei lá de noite e deparei com um enorme aparato policial, com centenas de polícias e dezenas de viaturas, tudo fortemente rodeado por grades de mais de 2 metros de altura, para que nada passe.

À minha frente estava o cordão policial que passava em revista todos os que ali transitavam e eu, vestido de preto, com uma mochila às costas e com uma figura que já me levou a ser confundido com um egípcio no próprio Egipto, pensei que seria sujeito a uma daquelas revistas rigorosas em que, em última instância, alisam até a pilosidade pubiana.

A minha mochila tem três compartimentos de média dimensão,sendo que em todos eles carregava pelo menos uma bolsa opaca, misturadas com livros e roupa, por isso pensei que teria entretenimento para muito tempo.

Nada mais errado.

Revistar-me foi algo que não terá pensado pela cabeça dos polícias e a muito custo lá pediram para abrir a mochila, sim senhor, numa operação que terá durado no máximo 5 segundos.

Tirei-a das costas, abri o primeiro compartimento (que continha dois volumes opacos – a minha bolsa de higiene e um saco com comida), o polícia deu uma breve mirada, e quando ia abrir o segundo disseram-me que estava tudo bem e que podia passar, acompanhado de um sorriso e votos de boa noite.

Não é que não fosse agradável a facilidade de passagem e a simpatia demonstrada, mas por toda a pompa demonstrada e o volume de dinheiro investido no reforço da segurança, nunca pensei que fosse aplicado aqui o habitual regime de nacional porreirismo.

Resta-me acreditar que este aparente desleixo mais não é do que uma estratégia psicológica de alto gabarito.

Se formos hospitaleiros e muitos simpáticos, estabelece-se uma empatia enorme com os potenciais terroristas, de tal forma que os levará a abandonar os seus maléficos esquemas de destruição, e até a comprar um ou outro pastel de Belém, que acondicionarão na volta, junto da embalagem de C4.

Esperemos que funcione e que não esteja já aquela zona preparada para uma implosão, com cargas explosivas levadas no interior de mochilas, dentro de bolsas de higiene.

Federação Portuguesa de Siesta

Julho 14th, 2010

Meus amigos, a vitória da selecção espanhola de futebol tem definitivamente que nos fazer reflectir sobre os nossos hábitos diários.

Se eles conseguem arranjar tempo para dormir depois do almoço e mesmo assim são campeões mundiais, nós também devemos ser capazes de o fazer.

Fiquei com a ideia que a nossa selecção teve vários momentos em que parecia que caía de sono, e isso deve-se de certeza à falta de uma boa siesta, aliás, o próprio treinador para tirar o Hugo Almeida e manter durante todo o jogo o Ricardo Costa a lateral direito estava a dormir como um anjinho.

Temos tanta gente que parece passar a vida a dormir, que já devem ser considerados especialistas e não devemos desperdiçar esses dons.

Se a produtividade do País não aumenta connosco acordados, pode ser que, estando a dormir, ao menos não pioremos as coisas.

Já há muito tempo que defendo – muito preguiçosamente, devo admitir – a ideia de que a siesta devia ser instituída no nosso País, mas alguém finalmente despertou para o assunto e criou a Federação Portuguesa de Siesta.

Eu acho que devíamos ajudar esta iniciativa a crescer, mas, se têm dúvidas, durmam sobre o assunto, e depois digam se estão de acordo.