Bed English

Outubro 11th, 2010

Este é mais um dos resultados visíveis da carreira académica (se é que lhe podemos chamar assim) do nosso primeiro-ministro.

Já lhe conhecíamos a faceta de linguista exímio dos seus discursos em castelhano escorreito, mas aqui o vemos no seu fluente inglês a discursar na Columbia University.

A pessoa que validou a sua passagem na disciplina de Inglês Técnico deve encontrar neste vídeo muitos motivos de orgulho… ou então se calhar não.

Na eventualidade de ter uma ínfima micro-molécula de consciência  poderá encontrar aqui justificação para se açoitar trezentas e vinte  e sete vezes ao dia, por ter aceite e corrigido positivamente um exame enviado por fax a um Domingo.

O conselho do ex-ministro da economia é que me parece que foi mal interpretado pelo nosso primeiro.

O que ele queria dizer é que ele deveria utilizar Bed English, arranjando quem com ele partilhasse a cama e durante o desfrute dos prazeres da carne lhe fosse segredando algumas coisas ao ouvido, em Inglês.

É um método que deve funcionar tão bem como aquelas cassetes antigas (do tempo dos walkman) para aprender línguas estrangeiras durante o sono, mas independentemente do que aprendesse sempre fazia melhor figurinha e ainda relaxava.

Fica a dica.

Vin Dimas

Setembro 29th, 2010

Existe uma personagem muito negligenciada e injustamente deixada de fora dos livros de enologia e etnografia, mas cuja acção é tão importante que o seu nome deu mesmo origem à designação que hoje damos ao acto de “vindimar”.

As primeiras referências a esta figura remontam ao período clássico e dizem-nos que o primeiro elemento desta linhagem foi gerado numa relação entre dois homens: Vinicius, bravo e possante general da legião romana, e Dimastenes, pastor grego que utilizava a ala esquerda dos campos da ilha de Lesbos.

Deram o nome de Vin Dimas ao seu filho, pela junção das iniciais dos seus próprios nomes, e desde aí surge geracionalmente mais um homem com idêntica génese, com as mesmas características pessoais e a mesma missão.

O actual Vin Dimas, dizem os vindimeiros, é o rebento de uma relação secreta entre um famoso actor de filmes de acção de Hollywood e um antigo jogador de futebol português com aspecto rústico.É nesta altura do ano que mais se menciona o seu nome, já que a sua acção é fundamental para inspirar muitos vindimeiros para a dura tarefa de deitar abaixo esses seres maquiavélicos conhecidos como “uvas”, e é por isso que nesta época, ciclicamente, ouvimos falar de Vin Dimas.

A motivação para a sua missão, adquiriu-a de um dos seus pais, pessoa de índole rural, que do campo extraiu a azeitice que o caracteriza.

Farto de ver imensos terrenos que podiam ser ocupados por oliveiras a ser invadidos por intermináveis hordas de “uvas”, Vin Dimas sempre tentou aniquilá-las no período em que elas estão mais maduras e portanto oferecem menos resistência, entre Setembro e Outubro.

Vin Dimas herdou de outro dos seus pais a coragem e a robustez para enfrentar hectares de perigosas “uvas” sozinho, dizimando milhões delas com as suas próprias mãos ao longo dos anos, e espremendo-as valentemente com os seus próprios pés.

O seu exemplo motivou os vindimeiros a segui-lo, e desde tempos imemoriais que, chegado Setembro, deitam mãos à obra, para ajudar a terminar a tarefa do seu mestre.

A mais dura prova de Vin Dimas, neste momento, é defrontar o descendente mais poderoso do clã rival, o seu arqui-inimigo Gonçalo Uva, jogador da Selecção Portuguesa de Râguebi.

É uma luta desigual, já que a namorada deste último, Carolina Patrocínio, fornece-lhe as já famosas cerejas descaroçadas pela empregada, que lhe dão poderes sobre-humanos.

Independentemente do resultado do eventual duelo, Vin Dimas será sempre a imagem de luta constante pela “desuvização”, e servirá de exemplo a todos os vindimeiros vindouros, que nunca deixarão de combater pela sua nobre causa.

Mayra Andrade

Setembro 10th, 2010

O fim de semana aproxima-se a uma velocidade caracolesca, numa estratégia retorcida para aumentar o valor que lhe atribuímos.

Este parece que ainda faz a viagem no tempo mais devagar do que o normal, carregado de sadismo, porque sabe que trás consigo um grande momento.

No Theatro Circo, este sábado à noite, vou ter a oportunidade de tornar a ouvir uma das mais bonitas vozes que já ouvi ao vivo, com participação especial da minha companhia preferida, ao meu lado na primeira fila.

É um concerto com simbolismo para nós, porque foi precisamente ao som de Mayra Andrade que trocamos as primeiras palavras e olhares, o primeiro instante partilhado, num rio de momentos que se perspectiva de longo caudal.

É favor acelerar então a chegada desse sábado, porque eu não consigo deixar de trautear esta música e se um polícia me tenta multar pode pensar que lhe estou a dar música.

Bebés inflacionados

Agosto 12th, 2010

Depois da especulação em volta do montante que o Cristiano Ronaldo terá despendido para ter um filho só dele, a mais recente notícia da aquisição de um Bebé pelo Manchester United, por nove milhões de euros, vem provar que a cotação dos bebés no mercado internacional está bastante inflacionada.

A famosa frase “o meu bebé vale ouro” conhece assim novos contornos e ganha uma carga muito mais capitalista, capaz de pôr o mercado das barrigas de aluguer a atingir níveis nunca vistos de capitalização em bolsa.

Mesmo tendo em conta as medidas de incentivo à natalidade do nosso Estado, este é um investimento cujo retorno, do ponto de vista estritamente económico, é bastante difícil de alcançar para o comum dos “baby buyers”.

Tratando-se de um mercado bastante volátil, com uma matéria muito instável, onde os activos estão sujeito a quedas abruptas e amuos frequentes, o que os torna pouco fiáveis no curto-médio prazo, torna-se fundamental o acompanhamento prematuro e o recurso a consultores especializados.

Para isso, felizmente para eles, já vai havendo sítios que poderão ajudar a tratar bem do investimento e a acrescentar-lhe valor, numa perspectiva de obtenção de ganhos e concretização de mais-valias no longo prazo.

Está visto que a concepção natural, além de mais prazenteira, trás também consigo uma enorme vantagem financeira, com poupanças de milhões de euros para os candidatos a papás e mamãs, e por isso estou decidido a continuar a aposta nesta via reprodutora de raízes tradicionais.

Kagame

Agosto 10th, 2010

Gostava de presenciar o diálogo, e posterior reacção do nosso primeiro-ministro, se lhe fosse apresentado espontaneamente o recém-eleito presidente do Ruanda.

Virando-se de repente e estendendo a mão, diria:

– Hello, Sócrates.

Ao que o outro responderia:

– Hello, Kagame.

A cara do senhor nesta fotografia ainda torna mais prometedor este momento bonito, sem dúvida.

E se passasse pela cabeça do nosso primeiro-ministro que o tom de pele do senhor ruandês se devia a ele já ter sido apresentado a mais portugueses solícitos anteriormente?

Aquele momento constrangedor em que limpa a mão ao casaco disfarçadamente e aproveita a primeira abébia para cheirar os dedos… que delícia de imagem mental!

Outra particularidade interessante deste senhor é que, visitado o seu site pessoal, não deixa de parecer estranha a colocação do punho branco fechado, donde parece sair, mais ao menos a meio, uma faixa branca e estreita, onde está inscrita a letra P.

Será, pergunto eu, um P de “pirete”?