Vê lá se queres que te dê quatro p*tas!

Novembro 16th, 2008
Não há maneira de eu perceber porque é que, querendo ameaçar alguém, se recorre à expressão popular “Vê lá se queres que te dê quatro p*tas!”.
É que isso está longe de ser um castigo… digo eu!

Expressões irritantes

Novembro 16th, 2008
De certeza que já viram uma cena deste género:
Vem um tipo carregado com 4 caixas empilhadas umas nas outras e de repente, quando está quase a chegar ao destino, deixa cair uma delas e exclama “Já sabia!”.
Outra expressão normalmente associada a esta, ou em sua substituição, é a famosa “Estava-se mesmo a ver!”.
Normalmente são acompanhadas também por um encolher de ombros e de um franzir de testa.
A pergunta que me assalta sempre nestas ocasiões (no sentido figurado, porque não estou a imaginar uma pergunta com um passa-montanhas na cara a assaltar-me recorrentemente) é… se já sabia que ia acontecer e se estava mesmo a ver que ia acontecer, porque é que o inteligente não evitou que acontecesse?!?
Poucas expressões me podem tirar tão do sério como estas duas.
Só talvez o já proverbial “Em que é que estás a pensar?”, quando estou um bocadinho em silêncio.
Se eu quisesse dizer, não estava em silêncio pois não?!?
De certeza que futuramente me vou lembrar de mais expressões que me irritam, mas no entretanto sintam-se livres (é sempre bom usar uma tradução literal do inglês de vez em quando) para me darem dicas de outras expressões especialmente irritantes.

Taxismo vs. Tachismo

Novembro 7th, 2008

O Taxismo leva-nos a qualquer ponto do País.
O Tachismo é o que faz com que este País não vá a lado nenhum.

Grand opening

Outubro 23rd, 2008

Este post é a alvorada, o cortar da fita, o dealbar, a abertura, o pontapé de saída, a génese, o despertar, a inauguração, enfim… o desfloramento deste blogue.

Nele não me coibirei de lançar as minhas atoardas, debitar pensamentos, discorrer teorias e filosofias, sem nenhuma espécie de moralismo ou verdade absoluta e sempre tentando trazer um bocado de bom humor.

Espero que vós não vos coíbeis tão pouco de comentar e dar as vossas achegas a “moi même”.

Não seria bom se se coíbissem.

Eu não me vou, seguramente, coibir de ler os vossos comentários.

Outros se coibirão concerteza, mas essa é, no fundo, a lei da vida não é?

Todos nós temos direito à nossa coibiçãozita de vez em quando… uns coíbem-se mais, outros menos… quantos não se coíbiram já tantas vezes sem querer?

Quantos não se coíbiriam se pudessem ou lhes fosse dada essa chance?

Despeço-me para já, feliz por ter conseguido evitar o trocadilho com os charutos Cohiba.

Até ao próximo post!