Rimadores experientes

Abril 5th, 2010

A felicidade procura-se, e à falta de outras capacidades dignas de nota, este senhor de provecta idade decidiu realçar o que de bom tem, para captar a atenção do sexo oposto.

Gabo-lhe a criatividade e originalidade, espero que tenha muito sucesso e vou treinando para, quando chegar à idade dele, estar apto a poder seguir as suas pisadas.

Chegar aos 80 anos

Sem ninguém para satisfazer

É a sina de muitos decanos

Que ainda querem dar prazer

Massagens ao domicílio

São excelente solução

Sempre contando com o auxílio

Do seu carro em segunda mão

À falta de mais pujança

Para uma mulher contentar

Depositam confiança

Na arte de bem rimar

São bardos com experiência

Rimadores de palavras bonitas

No corpo têm insuficiência

Mas na boca, frases catitas

Sigla o dia todo

Março 16th, 2010

Há uns dias saí de casa em direcção ao Porto, para ter umas reuniões na ANJE e na AEP, para me elucidarem sobre uns programas de apoio às PME’s.

Rádio sintonizada na RUM, e lá segui eu pela A3.

Mudança intermédia de rádio, para a RFM, onde passavam músicas nostálgicas dos UHF, dos GNR e dos REM.

Felizmente tenho o rádio equipado com RDS e então a emissão mudou para a TSF, para uma informação de que um acidente na VCI estava a congestionar o trânsito e as filas no acesso ao Porto começavam antes do parque da STCP.

Assim sendo, consultei nova rota no GPS, que me enviou pela A41 (ou IC24), com ligação à A28 (ou IC1), passando pelo terminal TIR em direcção ao Porto.

Na passagem pelo aeroporto Francisco Sá Carneiro, que é gerido pela ANA, ainda vi um avião da TAP a levantar vôo, mas o meu dia é que não descolou como deve ser, porque fui aconselhado a consultar outras associações empresariais que, pela proximidade, me poderiam dar uma ajuda mais eficaz.

Sugeriram-me a AIMinho, a ACB, a ADRAVE ou a ATAHCA.

Já tinha trabalhado com algumas no âmbito do QI PME e por isso não me custou nada re-activar esses contactos, para obter mais informações sobre o QREN, o PRODER, o FEDER, o SII&DT, o SII ou o SIQ, enfim, tudo o que pudesse ser útil.

Mas nesse dia já não era possível marcar mais reuniões, porque tinha a tarde livre para tratar de assuntos pessoais – tinha de ir ao CTB, onde estava agendado uma TAC há imenso tempo, e ir a um banco obter informações.

À vinda já não mudei mais de estação de rádio, para ir actualizando as notícias, que nesse dia falavam de uma denúncia por parte do PSD e do CDS/PP sobre alegada fuga de informações do SIS, a que o PS também disse estar atento, umas greves convocadas pela CGTP/IN e pela UGT e ainda um estudo apresentado pela OPEP sobre o preço do petróleo e a notícia de uns avisos do FMI ao BCE.

Pelo meio ainda foram divulgados alguns dados novos recolhidos pelo INE e falou-se também de novas iniciativas do AICEP.

No desporto, mais uma queixa ao CD da FPF apresentado pelo SLB, depois do jogo da Taça e a apresentação do relatório e contas da SAD do FCP.

O regresso foi feito vagarosamente, porque as luzes do ABS e do EPS acendiam de vez em quando, vá-se lá saber porquê.

À chegada a Braga, nova onda de trânsito, porque um autocarro dos TUB bateu contra um UMM junto à GALP.

Mesmo com a PSP a tentar agilizar a coisa – já lá estava também uma VMER do INEM e um carro da AGERE a remover destroços – perdi imenso tempo.

Passado isto tudo, e depois de feito o exame, dirigi-me ao BCP, onde me deram todas as informações que precisava sobre PPR’s, e fiquei elucidado, principalmente sobre os benefícios directos no IRS.

Para comparar ainda passei pelo BES e pelo BBVA, porque não consigo nunca ficar descansado com a linguagem deles e as TAEG, TAE, TANB e essas coisas.

Durante a tarde ainda tive tempo de passar pelo CTT, pela EDP e dar uma fugida até à FNAC.

Gosto muito de visitar a secção de CD’s e DVD’s deles e desta vez fui à procura de um filme policial ou de espionagem.

Independentemente de ter agentes do FBI, CIA, MI6 ou KGB, o que importava era que tivesse muita acção.

Como não encontrei nada que me enchesse as medidas, tive que me contentar com o que dava na TV nesse dia, e, como não tenho TVCabo, a escolha fica reduzida a RTP, SIC ou TVI, o que é um excelente motivo para desligar o cérebro cedinho e ir para a cama ASAP.

PEC?

Março 9th, 2010

Eu acho que as pessoas à vezes pecam por não especificar melhor de que é que estão a falar.

Um bom exemplo desse pecadilho linguístico, é utilização da sigla PEC, porque podemos estar a falar de muitas coisas diferentes: do Programa de Estabilidade e Crescimento, do Pagamento Especial por Conta, de uma Prova Especial de Classificação, do Programa de Estudos Comparatistas, da revista Psicologia Educação Cultura ou de um Plano Estratégico de Comunicação, entre outros.

Isto pode gerar alguma confusão, porque se de repente alguém começar a interpretar o relato de uma Prova Especial de Classificação de um qualquer rallye como sendo a avaliação do Programa de Estabilidade e Crescimento, ninguém se entende.

E se alguém comentar um artigo da revista Psicologia Educação Cultura e o interlocutor pensar que essa pessoa está a falar de um artigo relativo ao Pagamento Especial por Conta?

Vai dar confusão de certeza.

Imagine-se então se alguém começa a falar do Gregory Peck ou se com um sotaque manhoso mencionam um pack de cervejas ou a Tetra Pak?

Aí então é que está definitivamente lançado o caos interpretativo.

Se calhar só a mim é que me faz confusão.

Talvez  seja por eu ser um bocadinho peco.

Tradução sino-portuguesa

Julho 16th, 2009
A imagem abaixo (que pode – e deve – ser ampliada para melhor leitura, clicando nela) contém as instruções de uma lanterna que me deram há pouco.
Serve de alerta para os perigos da tradução instantânea no Google.
É também um exemplo de como o substantivo “sino”, da expressão sino-português, passa rapidamente a adjectivo qualificativo para o senhor responsável pela tradução.
Outro facto curioso é a camuflagem na informação sobre o país de origem do artigo, não sendo designado como China, mas sim como R. P. C. (ou seja, República Popular da China, para os mais distraídos).
Deve ser por comprarem bombas com instruções traduzidas por este senhor para árabe que os fundamentalistas islâmicos têm explodido com eles próprios.

Póitiéres

Julho 3rd, 2009
Póitiéres.
Foi assim que ontem um senhor me disse o nome da cidade onde reside, em França.
Hesitei e disse que não sabia onde era.
Disse-me que era perto de “Túres”.
Póitiéres… continuo sem saber onde é.
– Tem o Futuróescópe, que é muito bonito.
– Ah! Em Poitiers!
– Pois, em Póitiéres, já lá foi?
– Já. Gostei muito.

E assim está oficialmente aberta a época de férias dos emigrantes portugueses cá pelo burgo.

Nota para quem não está familiarizado com o francês: o nome das cidades lê-se, com mais ou menos sotaque “puátiê” e “turr”.