Carteiras economizadoras

Dezembro 22nd, 2010

Enquanto escrevo, milhões de pessoas estarão a fazer compras de Natal de última hora, com forte possibilidade de se deixarem levar por compras de impulso e gastarem mais do que desejariam e poderiam, sem sequer se aperceberem.

Pensando nestas pessoas e noutras com iguais problemas em gerir as suas economias, os laboratórios do MIT desenvolveram umas carteiras que encolhem à medida que o seu dono vai gastando dinheiro ou usando os cartões de crédito, dificultando assim o acesso ao chamado “pilim”, para evitar consumo excessivo.

Existem três modelos diferentes, todos equipados com um computador interno que está ligado a um smartphone do utilizador via Bluetooth, permitindo acesso permanente à situação do saldo da sua conta bancária.

Quanto mais o dono gasta, mais esforço a carteira faz para dissuadi-lo de continuar a gastar, acrescentando a dificuldade de aceder fisicamente ao dinheiro e aos cartões.

O criador, John Kestner, chama-lhes “Proverbial Wallets“, qualquer coisa como “carteiras sábias” e era muito bom que fosse a próxima aquisição do Estado português para oferecer à sua administração pública.

Fizz limão de regresso!

Maio 5th, 2010

Ora aí está, uma notícia refrescante!

Rotundas

Janeiro 27th, 2010
Se tivesse que eleger a coisa que mais me irrita no trânsito (tirando gente que anda a 10km/h, que não dá piscas antes de virar, que estaciona em vias rápidas, que atira lixo pela janela, que faz ultrapassagens em gincana, que ultrapassa a fila toda e se mete à frente dos outros todos, que abranda até quase parar para ver os acidentes, que não respeita os sinais ou que não pára nas passadeiras) então elegia as pessoas que contornam as rotundas sempre pela faixa da direita.
Será que essas pessoas nunca se questionaram sobre o facto de haverem duas ou mais faixas nas rotundas e de, se calhar, elas estarem lá por alguma razão?
Tudo bem que até gosto de jogos, mas lá porque os russos têm a Roleta Russa não há necessidade de nós termos a Rotunda Tuga!
Para que não haja dúvidas, e porque acho que só o Luís de Matos e o Prof. Bambo é que são capazes de adivinhar sempre se o carro que vem por fora continua ou não a contornar a rotunda, fica aqui um desenhinho que explica como se deve fazer.
Muitos já terão visto esta imagem, mas nunca é demais lembrar que, além de a conhecerem, é bom que a apliquem no quotidiano e que, pedagogicamente, partilhem essa informação com muita gente.
Até porque cá em Portugal não se complica muito nas rotundas.
Era bem mais confuso se tivéssemos rotundas esquisitas como a da imagem abaixo.
Se tivéssemos disto por cá, a esfera armilar podia ser substituída por um carro amarelo amolgado, que passava a ser o novo símbolo nacional.

Pinheiro de Natal em origami

Dezembro 19th, 2009
Para quem ainda não tem árvore de Natal em casa, mas tem papel e gosta de fazer as coisas com as próprias mãos, fica aqui um vídeo que explica como se pode fazer uma em origami, que é uma técnica desenvolvida nos tempos livres por aquelas pessoas cujo emprego é dobrar circulares.
É fácil e é barato… só não dá milhões… mas entretém.

Carrinhos de choque

Novembro 10th, 2009
Quando comecei a conduzir, uma das primeiras coisas que me aconselharam foi a ter cuidado com as acções dos outros na estrada.
Eu achei isso ridículo, porque eu era tão maçarico que os outros é que deviam ter muito cuidado quando eu entrava num carro.
Hoje já não sou tão trengo a conduzir e estou sempre muito atento ao que os outros fazem, defendendo-me o mais possível de surpresas na estrada.
Toda a atenção que eu possa pôr na estrada não evitará, contudo, que possa ser vítima de um acidente provocado pela nova moda que vem da Rússia.
Segundo a Reuters, há relatos de uma nova forma de “jogo” em Sófia, que implica que os condutores passem sinais vermelhos em cruzamentos movimentados, a alta velocidade, esperando não acertar em nenhum veículo ou transeunte.
Chamam a este “jogo” Russian Road Roulette (o que traduzido à letra significa qualquer coisa como Roleta Russa das Estradas).
Cá em Portugal temos os carrinhos de choque, que é uma forma muito mais moderada e menos perigosa de se fazer este “jogo”, o que, dirão os russos, não tem piada nenhuma.
A moda pode pegar e portanto, mais do que nunca, tenham muito cuidado com o que os outros fazem na estrada.