Descubra os seis “cincos”

Julho 26th, 2010

Acabo de chegar de uma desgastante viagem de trabalho.

Foram cinco dias em que passamos por cinco países e percorremos mais de cinco mil quilómetros.

É cansativo?

Evidentemente!

Aliás, desconfio que estou á beira de uma síncope, assim como devem estar também os meus colegas.

Correu bem?

Sim. Correu.

E, no fundo, isso é que interessa.


Zermatt e Matterhorn

Julho 24th, 2010

Conhecia Genéve e Zürich, achava que eram cidades interessantes, das quais gostei muito, mas que não me marcaram o suficiente para pôr a Suíça no topo dos destinos favoritos.

Estava longe de imaginar, na altura que visitei esta duas cidades, que seria o trabalho a trazer-me até aos Alpes Peninos, numa visita técnica, para perceber finalmente porque é que as vacas aqui se riem.

Chegados ao fim de uma estrada, depois de uma viagem em que a beleza natural alpina já se revelava em todo o seu esplendor, informam-nos que para chegar ao nosso destino devemos continuar de comboio.

Isto porque na fascinante vila de Zermatt os carros não circulam.

Feitos os vinte minutos de comboio, deparamos com uma típica vila Suíça, com casas de madeira extremamente bem decoradas com flores coloridas, de um asseio irrepreensível, com as características de casa de montanha que só estamos habituados a ver em filmes.

Parece que de repente entramos para dentro de um postal, que ganhou vida, odores e tridimensionalidade e nos arrebata por completo.

Este é o “quartel-general” de uma imensidão de turistas, que daqui partem à descoberta do imponente Matterhorn (inspirador do formato dos famosos chocolates Toblerone) e das suas riquezas naturais, seja a pé, de bicicleta, praticando rafting, parapente ou actividades de neve.

Aqui respira-se ar puro, mas também se sente no ar permanentemente a vibração da aventura, o respeito pela natureza, sempre pautados por uma exemplar ordem e cidadania, contextualizados por uma envolvente típica desta região, que a torna romântica.

Na bagagem levo uma enorme vontade de voltar, com mais tempo, porque este é daqueles sítios onde parece que podemos descobrir algo de deslumbrante a cada esquina que dobramos.

Alive

Julho 12th, 2010

O fim-de-semana que acabou ontem foi muito especial para mim, uma espécie de regresso ao passado, ao campismo, aos festivais e à música que ouvia quando acampava assiduamente.

Já não me lembrava de passar uma noite numa tenda, mas as excelentes instalações do Lisboa Camping, a proximidade do sítio para onde ia à noite e o transporte garantido entre os dois espaços, foram bons argumentos para me fazer voltar ao campismo.

O mote para este regresso foi um festival, onde o destaque do último dia cabia a uma banda com muito significado para mim, que me acompanhou durante toda a adolescência, que seguia sempre comigo nas cassetes que ouvia nessa altura, e que ficará para sempre associada às intermináveis noites de férias e acampamentos da minha juventude.

Ainda hoje é a banda que mais mexe comigo, porque me recorda um enorme rol de experiências, estórias, aventuras e descobertas, e tem o condão de me transportar o espírito para esses tempos.


Para grande alegria minha, os Pearl Jam deram em Algés um concerto memorável, apareceram numa forma fenomenal, com um desfilar interminável de clássicos do seu reportório, com a entrega e a paixão habituais, que enchem a alma.

Depois de milhares de horas a escutá-los ou a vê-los na televisão, esta foi a primeira vez que os vi ao vivo e por isso foi um momento ainda mais significativo para mim, que, apesar de não ser nada dados a idolatrias, os tenho em tão alta estima.

Senti-me outra vez jovem durante este fim-de-semana, relaxado, despreocupado, livre e muito feliz, enfim, senti-me… alive!

Fly away

Junho 3rd, 2010

Eu gosto muito do ninho, do conforto dele, mas uma das coisas mais importantes para a minha vida,  um dos  meus maiores prazeres, é viajar, por tudo o que me proporciona.

A liberdade de movimentos, a descoberta e aventura inerente a cada viagem, a aquisição de novos conhecimentos e experiências, o contacto com diferentes culturas e pessoas, que permitem alargar os horizontes, expandir a mente e crescer enquanto indivíduo.

Tenho sempre este  sentimento de entusiasmo supremo quando me preparo para voar para um destino, seja ele novo ou um retorno – como o da madrugada de amanhã à Cidade Luz -, seja em trabalho ou em lazer.

Se calhar é isto que os passarinhos de verdade sentem sempre que voam: uma alegria imensa, leveza de espírito e uma libertação total.

Uma despreocupação de tal ordem que permite que todos os eventuais problemas sejam relativizados, até ao ponto em que nem se importam com o sítio ou sobre quem, soltam as suas necessidades fisiológicas.

Entretanto, desde que acordei, é esta música que vai tocando em repetição na minha rádio inter-craniana.

Passatempo de aniversário

Maio 30th, 2010

Escolha a opção mais acertada para responder à seguinte pergunta:

“O que comemora hoje o autor deste blogue?”

a)      Uma Capivara;

b)      Uma Tacuara;

c)       Um Jenipapo;

d)      Uma Sucuri;

e)      Uma Capicua;

f)       Um Paraguaçu;


A resposta certa é a opção e), o que significa que este ano não posso trocar a ordem das velas numeradas em cima do bolo de aniversário e fazer gracejos plenos de paródia e regabofe, levando os presentes a crer que sou mais jovem do que eles pensavam, nem os outros poderão fazer o mesmo insinuando que estou mais velho do que na realidade sou.

Incapaz de contornar esta circunstância da vida, fica o registo de um ligeiro desconsolo, por não poder contribuir para a patusqueira galhofice e reinadia folgança que essa maganice festiva normalmente gera.