Objectivo concretizado

Fevereiro 23rd, 2011

Ontem foi um dia muito especial, porque a minha mulher concretizou um objectivo há muito ambicionado, fruto do seu trabalho e por mérito próprio.

É muito bom poder partilhar a sua alegria, estado de alma e sentido de dever cumprido, porque sei o quanto este objectivo para ela significa.

O sol radioso que parecia iluminar-lhe o espírito no final do dia de ontem é mais que merecido, e é para mim um prazer infinito sentir-me aquecido por esses raios de luz carregados de positivismo.

Sou uma pessoa que se auto-motiva com facilidade, mas aquele brilho no olhar, o rosto resplandecente, a vibração contagiante e o sorriso rasgado que ela ontem ostentava, para além de realçar a sua beleza, são motivos  extra, num ano que se afigura de grande trabalho, para me motivar ainda mais na luta pelos meus objectivos pessoais e pelos que temos em comum.

Obrigado por isso minha linda, muitos e muitos parabéns… e venha de lá mais champanhe!

O Grande Dia

Janeiro 14th, 2011

É já amanhã que chega aquele que já ouvi apelidado por alguma gente, muito justamente, de “O Grande Dia”.

Para não me alongar muito em considerandos, porque ainda há detalhes a tratar ,vou-vos deixar abaixo um texto que escrevemos para este momento tão especial das nossas vidas.

Só voltarei aqui em Fevereiro, mais alegre e bronzeado que nunca.

Até lá!

A Aventura do Casamento

Há quem diga que o casamento é uma verdadeira aventura e nós acreditamos que sim, talvez seja até mais arriscado do que muitas outras aventuras, porque, ao contrário de uma qualquer caça ao tesouro, não há pistas nem mapas e portanto entra-se num mundo desconhecido, do qual não se sabe bem o que esperar.

Tudo começa, porém, muito antes, na exploração que duas pessoas fazem uma da outra, no estudo dos sinais, na descoberta de gestos, odores, sons e olhares que adensam a vontade de conhecimento e que espicaçam a vontade de estar mais perto.

Existe um certo mistério no ar.

Após este primeiro momento descobre-se que não há um plano maléfico para conquistar o mundo, mas sim um plano benéfico para conquistar o outro, e surge novo desafio.

Surge a conquista que desperta os sentidos e que estimula à criação de cenários, de sonhos, de romance.

É um estado de arrebatamento em que tudo é lindo, tudo é bom, tudo funciona, onde se descobrem novas pistas diariamente, desfazendo aos poucos o mistério e onde a confiança e companheirismo ainda são conceitos novos, que vão ganhando consistência e que vão dando novo rumo à aventura.

E depois?

Depois veio o coelhinho, e foi com o Pai Natal, e o palhaço, no comboio ao circo.

De onde é que terá vindo isto?

Ainda devem ser resquícios de uma qualquer fantasia de Natal, que foi há muito pouco tempo… enfim… como estávamos a dizer…

Depois vem a consolidação, o desenhar de planos de futuro, a partilha de projectos, o pensar a dois, o viver a dois, a repartição de responsabilidades, a valorização dos prós, o combate aos contras, a experiência de sentir a união crescer e solidificar-se a cada dia, até ser inconcebível estar separados, até deixar de fazer sentido estar seja onde for sem a outra pessoa e ser difícil imaginar um dia sem a ver.

E por fim, o que nos trás aqui hoje, a decisão de querer isso para sempre, de querer assumir uma nova missão e enfrentar um futuro com esperança, com optimismo, com vontade de crescer mais, de dar frutos e vê-los crescer, de construir uma família, conscientes das dificuldades, mas com a certeza que serão muito menores se forem enfrentadas em conjunto, com a segurança de que juntos fazemos os obstáculos parecer pequenos, que nos complementamos e preparamos para fazer qualquer travessia mais facilmente, com o receio transformado só num nervoso miudinho, que um olhar e um beijo afastam definitivamente.

É o capítulo decisivo, o que dará continuação a esta aventura, onde se dá um salto para o desconhecido, mas que se parte definitivamente em busca de um objectivo comum, levando na bagagem dinâmica, amizade, vibração, respeito, cumplicidade, verdade, sonhos, lealdade, crescimento, emoção, sentimentos, compromisso, amor e muito companheirismo.

Já dizia o bom velho conselheiro matrimonial do Big Brother 1, o Telmo: “É como na trópá!”

2011!

Janeiro 1st, 2011

E que tal? Está tudo acordadinho? Sem dores de cabeça nem enjoos?

Conseguiram resistir à contagem decrescente para 2011?

Já pensaram que uma mente criminosa genial poderia ter introduzido uma mensagem hipnótica nessa contagem, para pôr toda a gente a dormir ao mesmo tempo quando se chega ao zero?

E do mesmo se podia ter lembrado um marketeer da empresa que produz Rohypnol, elaborando um esquema que lhes permitisse esmigalhar quantidades industriais destes comprimidos para dentro das barricas de champanhe antes do seu engarrafamento, numa campanha publicitária de choque sem precedentes.

Ainda bem que ninguém levou avante estas ideias, porque apreciei estar acordado na entrada deste novo ano.

Começou agora, mas já tem o carimbo de ser um dos anos mais importantes da minha vida, por isso a minha expectativa na sua chegada e no seu arranque.

Recebo-o com muita alegria e optimismo, com muita vontade para assumir compromissos que reforçarão um caminho trilhado a dois, para abraçar novos desafios que se perspectivam, para assumir novas responsabilidades que se adivinham.

Também o recebo com revigorada força e confiança para enfrentar as naturais dificuldades, que exigirão mais do que nunca determinação, rigor, pragmatismo, dedicação e adaptação constantes, mas que nos farão com certeza crescer a todos os níveis.

Vai ser um ano singular também para muitos dos que me rodeiam e que amo, e por isso estou com redobrada vontade de iniciar este voo por 2011 e vivê-lo intensamente junto de todos.

Seja bem-vinda vossa excelência, o senhor ano de dois mil e onze!

Vida com mau timing

Dezembro 14th, 2010

A vida nem sempre tem o timing mais adequado.

Por vezes somos postos perante situações e responsabilidades que ainda não estamos preparados para enfrentar, outras vezes são-nos dadas oportunidades únicas que ainda não sabemos apreciar devidamente, nem tirar o máximo partido delas.

É este segundo caso que me atormenta o espírito sempre que vejo o cenário da foto abaixo, confortavelmente, desde a minha varanda.

Custava alguma coisa ter esperado que eu me reformasse – se algum dia o puder fazer -,  para me oferecerem esta pérola?

É o sonho de qualquer reformado ter uma obra a decorrer mesmo debaixo da sua casa, com esta vista privilegiada que lhe permite acompanhar tudo ao minuto e com detalhe.

Eu, porém, nesta fase da vida só me posso queixar do barulho, dos inconvenientes que gera no tráfego e da poluição visual que fornece à paisagem.

Falta-me ainda sensibilidade enquanto espectador de construção civil, que é uma habilidade que se adquire e aprimora com o acumular de idade, e ainda não tenho know-how suficiente para elaborar grandes tiradas críticas sobre os responsáveis pela obra e pelo normal decurso da mesma.

Ainda pensei em partilhar esta situação com quem a apreciasse devidamente, dirigindo-me à ANAI para colocar um anúncio que pusesse à disposição uma varanda com vista privilegiada para obra ímpar na cidade, mas depois pensei que lhes podia estar a criar condições para o abandono da actividade desportiva, já que na varanda não dá jeito para jogar cartas por causa do vento, e desisti da ideia.

Passarinho acamado

Dezembro 10th, 2010

Haverão poucas coisas na vida que dêem tanto prazer como poder ficar a preguiçar na cama uma manhã inteira.

Agora, quando isso acontece de forma inesperada e  forçadamente, porque nos sentimos como se tivéssemos uma lareira acesa ao nível do estômago, com um piaçaba de arame farpado a percorrer a garganta permanentemente e um macaco hidráulico a tentar abrir-nos o crânio por dentro, não é nada agradável.

Para piorar um bocadinho, tanta coisa para fazer hoje, sem possibilidade de ficar para amanhã, e a necessidade premente de ligar o computador para cumprir ao máximo as obrigações pendentes, apesar de o ecrã parecer um enorme clarão que entra pelos olhos de forma aguçada, como se estrelas brilhantes e pontiagudas se acotovelassem para entrar retina dentro.

Haverão dias melhores, sem dúvida, e espero que seja já amanhã.