Teste “à americana”

Setembro 24th, 2009
Um amigo meu vai viajar para os E.U.A. e teve que preencher um questionário aquando da solicitação do visto de entrada no país.
Enviou-me o link para este questionário, que eu muito agradeço, porque as perguntas são curiosíssimas.
Deve-se assumir, pelas perguntas formuladas, que os norte-americanos julgam que as pessoas são todas honestíssimas, muito distraídas, extremamente ingénuas ou completamente parvas.
Reparem na frontalidade destas perguntas:

B) … está procurando empenhar-se em actividades criminosas ou imorais?

C) Já esteve ou está agora envolvido em espionagem ou sabotagem; ou em actividades terroristas; ou genocídio; ou esteve envolvido entre 1933 e 1945, de alguma maneira, em perseguições associadas à Alemanha Nazi ou aos seus aliados?

A base ideológica deste questionário é simples.
Um cidadão pode ser criminoso ou imoral, espião ou sabotador, terrorista ou genocida, mas nunca, nunca, nunca, em circunstância alguma… mentirá num questionário “à americana”.
Deve ser…

Bússola eleitoral

Setembro 3rd, 2009
A SIC desenvolveu um pequeno questionário onde se pretende identificar a posição política de cada um, chamado Bússola Eleitoral.
Para quem não tem uma noção exacta do seu posicionamento político pode ser uma boa ajuda para clarificar posições e para quem acha que tem essa certeza não deixa de ser interessante conferir se de facto se confirma essa posição.
No meu caso, fiquei exactamente na posição que esperava.
De direita e libertário-cosmopolita, mas numa zona bastante próxima do centro, ou seja, moderado.
Supostamente deveria votar no MMS, mas acho que não tenho saldo e o meu telemóvel também não tem o software adequado para isso.

Tradução sino-portuguesa

Julho 16th, 2009
A imagem abaixo (que pode – e deve – ser ampliada para melhor leitura, clicando nela) contém as instruções de uma lanterna que me deram há pouco.
Serve de alerta para os perigos da tradução instantânea no Google.
É também um exemplo de como o substantivo “sino”, da expressão sino-português, passa rapidamente a adjectivo qualificativo para o senhor responsável pela tradução.
Outro facto curioso é a camuflagem na informação sobre o país de origem do artigo, não sendo designado como China, mas sim como R. P. C. (ou seja, República Popular da China, para os mais distraídos).
Deve ser por comprarem bombas com instruções traduzidas por este senhor para árabe que os fundamentalistas islâmicos têm explodido com eles próprios.

Dom Manuel Linda

Junho 28th, 2009
Se fosse dia 1 de Abril eu não acreditava nesta notícia.
É difícil acreditar porque este senhor tem muito azar com os nomes que fazem parte da sua história de vida.
Imaginem como será uma apresentação breve deste prelado aos restantes bispos:
“Bom dia. O meu nome é Linda, venho de Paus e doutorei-me em Comillas.”

El Pedocin

Junho 8th, 2009
Existem pessoas com uma noção de espaço agradável, ideia brilhante e excelente iniciativa muito diferente da minha.
Eu quando penso em praia penso em mar, sol e, claro está, corpos desnudados do sexo oposto.
Aparentemente há quem ache que antigamente é que era bom e portanto en El Pedocin foi reconstruído um muro que divide a praia em dois espaços, um para homens e outro para mulheres.
Esta instância balnear foi originalmente construída desta forma, no reinado de Maria Teresa da Áustria, no século XIX, e na altura isto era comum porque havia mais pudor e (isto é essencial) as mulheres ainda não usavam biquini e eram gordíssimas.
Assim sendo percebia-se que os homens preferissem um certo resguardo para observarem em paz livros com gravuras eróticas enquanto jogavam às cartas, apanhavam sol e davam uns mergulhos.
Além disso os homens sabiam nadar mal e o futebol ainda não existia, portanto não se podiam exibir, a não ser a construir castelos na areia, o que não é propriamente coisa de macho.
Isto ditava a separação por sexos nas praias dessa altura, não tenho dúvidas.
Numa ideia extraordinária (ou não, porque evita a ordinarice de qualquer espécie mesmo a extra), o presidente da câmara de Trieste decidiu recuperar o “antigo esplendor” da época do Império austro-húngaro e voltou a levantar o muro que separa a praia por sexos.
Para mim esta iniciativa só tem uma justificação e qualificação possíveis, ambas com o mesmo termo: panisguice.
Em nome de muita gente que eu sei que pensa como eu, senhor presidente da câmara de Trieste, peço-lhe que deixe as meninas juntarem-se aos meninos nas areias de El Pedocin!
Sirva uns martinis “on the rocks” e ponha uma música em condições e vai ver que torna a estância muito mais esplendorosa.
Para quem não acredita, fica abaixo a fotografia da “magnífica” estância.
Como poderão comprovar, não vejo nenhum sorriso nem cara de satisfação 🙂