Puxe ou empurre?

Fevereiro 24th, 2017

Numa bela e gélida manhã de Inverno, daquelas que desaconselham a urinadela masculina na via pública, de modo a evitar embaraços acerca da dimensão percebida da sua masculinidade, procurava eu um WC onde pudesse libertar confortavelmente, e de forma privada, o incomodativo líquido acumulado na bexiga.

Eis senão quando (bela expressão que não sei se se escreve assim), me deparo com duas portas, uma com um ícone representativo de um cidadão do sexo masculino e outra com um ícone semelhante, desta feita indicando ser ali o local adequado para cidadãos portadores de deficiência física.

Até aqui tudo muito bem.

O que me causou espécie (como soe dizer-se no norte do País), foi aquilo que entendi como sendo as regras de utilização das premissas para quem as usa com o intuito de defecar, escritas garrafalmente nessas portas.

O conselho inscrito na porta destinada às pessoas com deficiência era pertinente e avisado, como poderá o leitor constatar na imagem.

É um velho método, popular, muito eficaz na expulsão das impurezas sólidas do organismo, sendo que nunca é demais relembrar que essa é a forma mais aconselhada para o fazer.

Muito bem, caro gestor de espaço público!

Mas ao olhar para o procedimento aconselhado aos cidadãos do sexo masculino, fui imediatamente assaltado pela perplexidade e posteriormente pela revolta (que já só levou o que sobrava, emocionalmente).

Como se conseguirá expelir eficazmente o trolhão, lançar o calhau à água, lograr o alívio máximo… empurrando?!?

Que pretenderá obter o gestor daquele espaço, com este aviso tão desviante e enganador, cuja leitura é impossível evitar ao incauto pré-defecador?

Não deslindei outra justificação que não a de estarmos perante uma tropelia de mau gosto, uma espécie de “apanhados”, uma inaceitável tentativa de confundir as mentes dos utilizadores daquele recinto, para puro gozo de quem observa as câmaras, que certamente existirão, estrategicamente plantadas juntos dos sanitários vasos.

Denuncie-se pois o acto pérfido desta personagem e alerte-se os cidadãos para não se deixarem cair nesta esparrela.

Puxem senhores! Puxem!20160829_170452