Números nos vidros dos carros

Agosto 25th, 2011

Começo a reparar num número crescente de carros com papéis colados no vidros, onde consta tão somente um número constituído por nove algarismos, começando todos pelo 9, semelhante a um número de telefone.

Qual será o significado disto?

Há quem diga que é sinal de que está para venda, mas não vejo nada que permita tirar essa conclusão de forma inabalável.

Já me ocorreu que talvez sejam pessoas solitárias ou que gostam de muito falar, e por isso publicitam o seu número de telefone, sem se identificarem.

Um boa notícia para quem faz chamadas anónimas, porque se telefonar para um desses números vai falar com alguém que também não sabe quem é, havendo assim algo que os une.

Pareceu-me no entanto ter ouvido – vociferado numa conversa de café por um senhor que tinha acabado de perder uma aposta, cuja penalização o obrigou a raspar a traqueia por dentro com um cacto – que se tratará de um jogo de sorte, organizado pela concorrência silenciosa – ou silenciada – da Santa Casa da Misericórdia.

Um jogo clandestino inspirado na lotaria, em que um indivíduo – não identificado – procura pelo País o carro que tenha colado no seu vidro o número constituído por nove algarismos, começado por 9, em que ele pensou na noite anterior, enquanto obrava antes de ir para a cama.

O prémio será equivalente ao número – diz-se por aí, não se sabe bem onde – mas em kwacha malawiana.

Pode também ser uma espécie de tatuagem posta no carro, como fazem alguns reclusos na própria pele, mantendo viva a memória de quando o proprietário ficou preso no trânsito, sem comer e sem beber, chegando depois ao fim da fila e verificando que afinal não se passava nada.

O número corresponderá à totalidade de milissegundos passados em torturas semelhantes nos últimos dez anos se for habitante de uma cidade de média dimensão, sendo que em Lisboa e Porto a contagem é feita anualmente e no interior do País secularmente.

A dúvida mantém-se no meu espírito, com a certeza porém de que, seja lá o que forem estes números, são algo misterioso e pouco transparente, o que deve tornar as manobras um bocadinho mais complicadas.

Senna

Junho 20th, 2011

Quem me conhece sabe que não sou pessoa dada a idolatrias, fanatismos ou seguidismos, mas existem personalidades que admiro de forma muito intensa, pela sua personalidade, carácter e percurso de vida.

Ayrton Senna foi uma dessas personalidades, que me deixava colado à televisão a seguir as suas proezas, que me punha a vibrar nos duelos fantásticos que protagonizou com Prost ou Mansell, e que conseguia ser mais que um mero piloto, um exemplo de humildade, trabalho, persistência, rigor e positivismo.

Foi por isso com muita emoção que vi o filme documentário “Senna“, um filme muito bem estruturado, com testemunhos sentidos – alguns deles surpreendentes – de quem viveu de perto com ele todos os momentos do seu interessantíssimo percurso, e que me prendeu emocionado ao ecrã durante mais de duas horas.

Um filme que lhe faz jus e que muito dignifica a vida deste grande piloto.

Um documentário imperdível para qualquer adepto do desporto automóvel, da Fórmula 1, para os fãs de Ayrton Senna, mas também para quem quiser conhecer mais em pormenor um bom exemplo de vida.