Carta aberta ao Ministro da Saúde

Novembro 7th, 2013

Ex. Sr. Ministro da Saúde,

Escrevo-lhe para o congratular pelo meritório trabalho desenvolvido pelo seu Ministério, ao nível do controlo de custos.

Como cidadã atenta e responsável, que julgo ser, é meu dever alertá-lo, no entanto, para uma situação que poderá contribuir para a obtenção de resultados ainda melhores.

No nosso agregado familiar somos autodidatas nesta coisa da saúde e bem estar, sendo que temos obtido resultados notáveis nas nossas pesquisas caseiras, aplicando técnicas de baixo custo.

Nas linhas abaixo, chamaremos a sua atenção para dois resultados caseiro-laboratoriais de excelência,  que gostaríamos de partilhar com V. Exa.

Somos pais de quatro crianças portadoras de um grau de atividade considerável, que consequentemente as leva a ter vários acidentes domésticos, eventualmente preocupantes e geradores de constantes viagens para o hospital.

Desenvolvemos porém uma técnica infalível, de resultados comprovadíssimos, que aplicamos sempre em casos de emergência médica, e que és espantosamente barata sr. Ministro.

Chamamos a esta técnica: um beijinho.

É espantoso como resulta sempre!

Quer os nossos filhos batam com a cabeça num móvel, trilhem os dedos numa porta ou se esbardalhem no chão, a aplicação atempada de um beijinho no local da lesão, revela resultados surpreendentemente rápidos e eficazes.

Esta técnica é tão eficaz que são agora os próprios petizes, reconhecendo a ação poderosa da mesma, a vir ter connosco pedindo-nos um beijinho, sempre que têm um acidente doloroso.

Temos desenvolvido também outras técnicas, mais ao nível do bem estar, com resultados igualmente bons.

Diria mesmo épicos, se me for permitido, e modéstia à parte.

Neste caso trata-se de mais do que uma técnica, mas todas têm o uso da boca, no seu todo, associadas, devendo porém ser apenas aplicadas a adultos.

Devo dizer, numa pequena inconfidência, que por vezes me finjo mal disposta, cansada ou distraída, só para ser elegível enquanto recetora destas técnicas de bem estar.

Acho que seria de ponderar o reconhecimento oficial destas técnicas, enquanto catalizadoras do bem estar dos portugueses, autorizando-as em Centros de Estética e Massagens, SPAs, bastidores de desfiles de lingerie, praias e piscinas públicas.

Sei os riscos que corremos ao fazer estas experiências em humanos, e por isso mesmo aceitarei se, os membros do seu governo, quiserem pessoalmente aplicar estas técnicas a cavalos, para poderem comprovar in loco os seus resultados.

Os portugueses, só de saberem que vocês estão a aplicar pessoalmente estas técnicas bocais a cavalos, ficarão desde logo com um sorriso na boca, e os animais, seguramente, agradecerão o obséquio.

Grata pela sua atenção, e esperando ter sido útil, despeço-me com a mais elevada estima,

Benjamina Gargarejo

P79494_10


Trackback URI | Comments RSS

Leave a Reply

Name

Email

Site

Speak your mind