Bullying espiritual

Dezembro 6th, 2012

– Hoje temos connosco no programa Alpistas do Crime, o senhor Sebastião Corvo, que tem algumas reclamações a fazer relativamente ao estado da justiça portuguesa. Senhor Sebastião, boa madrugada, o senhor sente que a justiça não se faz neste País, não é assim?

– É assim, sim, Simão. A justiça não se faz, nem deixa que outros a façam.

– Quer-nos explicar o que o  leva a estar tão triste com a justiça?

– Quero, sim, Simão. O que se passa é que eu sou vítima de bullying espiritual já há muito tempo, tenho-me queixado frequentemente às autoridades e ninguém faz nada para pôr fim a este suplício.

– Pode-nos explicar o que é o bullying espiritual?

– Sim. É simples, Simão. Há já muito tempo que uma dúvida me assalta o espírito. É recorrente. Uma, outra vez e mais outra. Quando tive a certeza de que se tratava já de bullying e não apenas de uma dúvida obcessiva-compulsiva recorri às autoridades.

– E que resposta obteve?

– Silêncio sibilino Simão. Ficaram ali especados a olhar para mim fixamente durante três ou quatro minutos, quase como se estivéssemos a jogar ao sério, até que um dos polícias teve que ir dar uma farpa à rua e o outro, para não ficarmos em ambiente elevador, meteu conversa e disse que isso não era nada com eles e que devia ir a um psicólogo ou assim.

– Ou assim?

– Ou assim, sim, Simão!

– E o que fez a seguir?

– A seguir sumi Simão. Fui à minha vida. Mas depois continuaram os assaltos da dúvida ao meu espírito. O meu espírito começou a ficar amedrontado, a acordar á noite com suores frios e a fazer chichi na alma e a minha vida nunca mais foi a mesma. Voltei a queixar-me às autoridades cerca de 23 vezes, e nunca obtive qualquer tipo de reação da parte deles.

– Como acha que se resolve o problema?

– Só ao soco Simão! O que eu queria mesmo era ver a dúvida atrás das grades, que é onde pertence, mas a continuar assim só ao soco.

– Olhe, mas hoje temos uma surpresa para si Sebastião. Abram a porta número 2 para vermos o que lá está, por favor!

(Abre-se a porta número 2 e vê-se a dúvida vestida de presidiário, por trás das grades)

Está contente Sebastião?

– Sim, surpreendido e satisfeito Simão! Que vida descansada que vou ter agora, Já vou poder voar como dantes e picar miolos de cabra como antigamente. Que alegria! Muito obrigado ao Simão e à produção do Alpistas do Crime, que foram sempre impecáveis.

– Não tem nada que agradecer. estamos cá para isto. Quanto a si, que nos segue atentamente, bons sonhos e até ao próximo programa.


Trackback URI | Comments RSS

Leave a Reply

Name

Email

Site

Speak your mind