O nosso pintainho

Novembro 23rd, 2011

Ando há pouco mais de uma semana para escrever aqui, já que sobejam informações e emoções merecedoras do maior destaque.

No entanto, só hoje consegui um pequeno espaço emocional e temporal que mo permitisse fazer, depois de uns dias cheios de aprendizagem, descoberta e muita, muita felicidade.

15 de Novembro foi o dia em que deixei ficar o bloco de notas no bolso, virando todas as atenções para outro bloco, o de partos, onde veio ao mundo o nosso pintainho.

Foi um dia que acumulou as horas de dois, já que o sono se esfumou no embalo daquela coisa pequenina, perfeitinha, cheia de fragilidades mas catalisadora de uma esperança e alegria sem fim.

Vai-se o sono, vai-se o comodismo, vai-se a preguiça, vai-se para sempre o Eu.

E vão muito bem, porque esse espaço foi preenchido por uma imensa vontade de abraçar, embalar, falar, ajudar, ensinar, fazer rir, apoiar sem parar, continuadamente, sem esforço e com a maior das entregas, de alma cheia e o coração em brasa, quentinho e radiante.

Já tive muitos momentos marcantes na vida, muito especiais e irrepetíveis, mas nada comparável à emoção de ver aqueles olhinhos pela primeira vez, sentir o seu respirar rápido e de o adormecer junto ao peito, servindo-lhe de alcofa, apaziguando toda a agitação que com certeza sentiria perante algo tão novo para ele.

E a mãe.

O imenso orgulho nela no final destes nove meses de gestação.

A certeza reforçada de que é a tal.

O prazer de a sentir plena na sua maternidade.

Linda!

Depois vem o olhar embevecido que se partilha.

O primeiro contacto conjunto com o fruto do nosso amor, que traz ainda mais sentido a este projeto de vida, que o valida e solidifica.

O primeiro abraço de família a três, em que parece que confetis de magia nos envolvem numa concha protetora em que somos só nós, nada mais interessa e em que, por breves minutos, temos a certeza de que nada nos vais parar se nos mantivermos assim, juntos e com todo este amor.

A realidade tem tendência a esconder a poesia do momento, é certo, mas o importante é reter esse instante dentro de nós, porque é essa base que nos dará força para superar as dificuldades, que nos trará o alento no final dos dias mais difíceis, que nos motivará a atingir objetivos superiores.

Estou feliz, radiante mesmo, confiante de que estamos preparados para esta missão, seguro de que o nosso pintainho tem o que é preciso para ser feliz e que o futuro lhe sorrirá.

Sinto-me um privilegiado também por poder contar com todos os que têm estado ao nosso lado neste momentos.

Uma família pequena em número, mas enorme em amor, entreajuda e partilha, que agora tem mais um pequeno elemento para a tornar ainda mais especial e imprescindível.

Amigos, com A maiúsculo,  que estão sempre lá, que incentivam, apoiam, torcem por nós a todos os momentos.

Por tudo isto, tenho a certeza que o dia de amanhã só pode ser solarengo.

Agora vou mudar uma fralda, que o porão já deve estar cheio.

Já volto, assim que seja possível.

 

 

 

 

Dá Deus gelo a quem não tem limas

Novembro 14th, 2011

Pelos vistos caiu muito granizo durante o fim de semana.

Do tamanho de bolas de golfe, diz a comum testemunha, habituada a calibrar tudo o que lhe chega a mão com algo que tenha a ver com o desporto preferido dos portugueses, logo a seguir ao futebol e à sueca.

São referências arreigadas na nossa cultura, e já não há volta a dar-lhe, aparentemente.

As pessoas queixam-se muito da destruição causada – e se calhar até terão alguns motivos – mas para mim esta algazarra está mal direcionada e o argumento principal anda esquecido.

O granizo é coisa boa e seria benvindo até, há umas semanitas atrás, quando esteve um calor insuportável.

Lembram-se de Outubro?

Aí saberia bem uma quedazita de granizo, porque fazia os telhados das casas mais arejados e podia-se aproveitar esta dádiva dos céus para fazer caipirinhas de grandes dimensões.

Pensem bem nisto: não devíamos estar preparados para aproveitar melhor os recursos que nos caem na tola?

Como é que desperdiçamos a oportunidade de fabricar saborosos cocktails alcoólicos em larga escala?

Se os produtores de limas dotassem o tronco das suas limeiras com baldes onde se pudesse acumular o granizo, seria fácil, juntando algum açúcar, produzir caipirinhas suficientes para nos esquecermos da crise até Janeiro.

E isso é bom.

Há algum desinteresse quanto a esta temática – parece-me – mas a partir de ontem fiquei mais alerta e já equipei o meu carro com um kit de aproveitamento de granizo onde consta um balde, um quilo de limas, uma garrafa de litro de cachaça, um quilo de açúcar, várias palhinhas e um almofariz, para o caso de ser surpreendido por uma granizada.

O próximo passo é montar uma mini-hídrica junto às rodas do carro, para aproveitar a água das chuvas e poupar gasolina.

É só dicas!

Agora aproveitem-nas.

Xiu, xôr agente!

Novembro 7th, 2011

Um dos truques mais utilizados pela indústria cinematográfica, para dar mais ação aos filmes, são as perseguições policiais.

É sempre bastante excitante e prazeroso assistir a uma boa perseguição enquanto se faz uma boa perguiçassão, e por isso essa dupla deve ser convenientemente alimentada, a bem do espectador.

O que me aflige é a forma como às vezes o início dessa perseguição é demasiadamente forçada, retirando a espontaneidade necessária a um entretenimento minimamente credível.

Já assistiram a isto várias vezes, aposto: o meliante está compenetrado a tentar forçar a fechadura de uma casa, quando do fim da rua ouve um grito a clamar para que pare com esta sua ação criminal, permaneça no seu sítio e ponha as mãos no ar.

Invariavelmente o bandido foge, gozando de uma distância inicial que lhe permite manter a fuga durante largos minutos, enquanto se desarrumam contentores do lixo, se disparam balas que acertam em corrimões e se forçam travagens bruscas aos carros que transitam na via pública (quando isto acontece dá bem para ver quem é o polícia e o ladrão, porque o primeiro agradece e pede desculpa ao condutor).

É sabido que os polícias são sempre mais fortes, rápidos e certeiros que os ladrões, tudo bem, mas para quê dar-lhes sempre um avanço tão grande?

A imagem transmitida é uma de duas: ou os polícias do cinema são muito estúpidos e ainda não perceberam que assim estão a “assustar a caça”, dando-lhes uma vantagem desnecessária, ou então são uns irresponsáveis, que para seu entretenimento próprio – já que lhes dá imenso gozo perseguir ladrões -, estão-se nas tintas para o objectivo final e põem em causa a segurança dos cidadãos e o perfeito estado dos objetos danificados durante a perseguição.

Meus amigos, como é que se caçam moscas?

Como é que se obtém bons resultados na pesca?

Com gritinhos a avisar que estamos ali?

Não é, pois não?

É muito mais eficaz que o agente da autoridade se aproxime sem fazer ruído, para depois, à distância de meio braço, aplicar um calduço em condições ao metralha, pondo-o inconsciente!

Ou então disparar um balázio certeiro à cabeça, usando aquela mira espetacular que costumam ter, mas preparando o tiro à distância e em silêncio.

Perdia-se emoção, é certo, mas ganhava-se em contenção de custos e serenidade da vizinhança, e isso é algo que temos que ter em conta, dada a época de crise que vivemos.

Não se acordam meninos, não se partem vidros, não se explodem carros.

Perfeito.

Paz e ordem, senhores agentes das películas, é o que vocês devem garantir, não é exatamente o inverso.

Não se esqueçam que são um exemplo e peçam aos vossos guionistas para vos mudar esta atitude.

Vão ficar muito mais credíveis, serão muito mais admirados pelos métodos utilizados e vão estar muito menos cansados no final do filme, vão ver.

 

 

Acordo ortográfico

Novembro 2nd, 2011

A resistência foi muita, porque achei que esta evolução (?) da língua portuguesa foi imposta politicamente e não emanou de um natural desenvolvimento da língua.

Seja como for, o acordo ortográfico é hoje uma realidade e de nada adianta dizer que foi mal feito, que serve mal a língua portuguesa e que no futuro nos vamos arrepender.

Isso seria velhodorestelhice da minha parte e eu não me revejo nada nessa figura.

Por isso, a partir de hoje vou passar a tentar escrever seguindo as regras do novo acordo e tentar perceber como me sinto a dizer que vou jogar polo.

Não se pode dizer que seja um ato heroico, esta minha nova atitude, mas vai ser com certeza difícil esta adaptação e sinto que até estou a ser um bocadinho corajoso em dar este passo.

Hei de conseguir um dia fazer isto de forma natural e tenho por objetivo chegar ao fim do ano fluente na nova escrita, por isso agradeço que me não me passem a mão pelo pelo se eu der erros, mas, pelo contrário, sejam corretores ativos desta minha nova forma de escrever e me informem de todos os erros que detetem.

Obrigado.