Meteorologia

Agosto 16th, 2011

É incrível a quantidade de vezes que as previsões meteorológicas não batem certo, não é?

É suposto ser uma previsão científica, o que sugere uma margem de erro bastante diminuta, mas depois uma pessoa fia-se nelas e arrisca-se a ir para a praia de calções e apanhar chuvadas de granizo com temperaturas de fazer gelar os tintins.

Isso fez-me pensar no que terá dado origem a esta profissão e acho que encontrei a resposta na própria palavra que a define.

Há algumas centenas de anos atrás – arrisco mesmo a dizer séculos -, ocorreu a queda de um meteorito e, perto do local da queda, observando atentamente o meteorito, alguém terá afirmado: “Isto aqui está quentinho, está! E parece-me que vai ficar assim nos próximos dias.”

Ainda lhe disseram que estava a dizer aquilo de forma extemporânea, mas ele riu-se e disse “Volto a dizer o mesmo. E não me parece que haja precipitação nenhuma”.

Como os dias seguintes também foram quentinhos e não choveu, a população começou a estar atenta ao que aquele senhor dizia, pensando que ele tinha a capacidade de o fazer porque lia os meteoritos.

O sujeito aproveitou-se disso, começou a cobrar pelas suas leituras dos meteoritos – a que chamou de previsões meteorológicas -, e as pessoas passaram a apelidá-lo a partir daí de meteorologista.

A linearidade do clima no deserto de Mojave podia ter-lhes chamado a atenção para a eventualidade de estarem a ser burlados, mas pelos visto isso não aconteceu.

O charlatanismo deste vidente de meteoritos fez escola e daí a oficializar esta profissão foi um passinho só.

Criaram-se até Institutos de Meteorologia, mas noutros territórios com um clima mais instável as previsões revelaram-se menos fiáveis.

Isso tão evidente que era preferível pôr um velho pescador ou uma idosa com reumatismo a informar como irá estar o tempo nos dias seguintes, se quisermos evitar sair de gorro e cachecol à rua num dia ardente de canícula.

Qualquer dia, se alguém se apercebe desta realidade, começamos a ver anúncios de meteorologistas nos jornais, ao lado do professor Malangué, mas aí com mais poderes divinatórios, aplicados aos casamentos vindos de Espanha ou às temperaturas das vinganças, por exemplo.


Trackback URI | Comments RSS

Leave a Reply

Name

Email

Site

Speak your mind