Enxerto de porrada dá frutos

Outubro 6th, 2010

Foi notícia durante a semana transacta, mas só agora o repórter do Ninho de Pássaro se pôde deslocar ao local, devido a um desarranjo intestinal que o levou a um W.C. e o manteve distraído por três dias, na leitura de uma porta com muita escrita.

Na pequena localidade de Entremijas, o senhor Casimiro Lenha resolveu fazer um enxerto numa árvore de porrada que tinha junto da sua garagem, e assistiu espantado a um fenómeno único: a árvore começou a dar miraculosamente frutos de muitas variedades, de forma espontânea e imediata.

“Eu nem sei que lhe diga. De repénte começum a sair de lá biqueiros, murraços, sopapos, estalos, bastonadas, … de tudo… eu nem sabia de onde elas caíum!”

Os transeuntes, apesar de espantados, não se fizeram rogados e correram a apanhar o que podiam, como foi o caso do senhor Laurindo Meles:

“Olhe, eu nim sei como consegui apanhar táunto! Trouxe pra casa 12 castanhádas, 9 crêncos, 16 joilhadas e 45 patarrões, daqueles rijinhos, mêmo como eu guósto e maijalgumas coijinhas. Fui para casa tuodo isconxavado, a ver se auguentava cum aquilo tudo e cheguei a casa e a minha mulhere beio logo ter cumigo a dezer “Ó home, olha como tu beins! Tu já num és nobo, já não consegues levar táunto! Aunda cá que eu ajudo-te.” E lebou os 30 açoites que eu trazia nas truzes!”

O pároco da localidade, conhecido como Senhor Padre, não ficou nada satisfeito ao tomar conhecimento deste milagre.

“Não pode ser milagre. Normalmente, quando é assim, a Santa Sé faz saber antes ao sacerdote da freguesia, através de um ofício em papel timbrado e acompanhado das instruções de montagem. Ainda não há uma IKEA para milagres e portanto não me parece que o senhor Casimiro pudesse fazer aquilo sozinho. E nós normalmente trabalhamos mais com o aparecimento de flores, choraminguices de estátuas ou imagens do Senhor e nunca com pancadaria silvestre. Para mim isto é obra do Demónio.”

A produção de frutos da árvore foi tanta que o mercado municipal não deu resposta cabal a todos os que lá acorreram a distribuir o produto, e assim mais de metade da população de Entremijas viu-se na necessidade de utilizar o hospital como apoio.

O fenómeno só durou, no entanto, dois dias, pelo que, infelizmente, o repórter já só conseguiu arranjar dois calduços muito fraquinhos.