PEZ Cristão

Dezembro 6th, 2009
Por causa da gripe A surgiu nos Estados Unidos (onde mais?) a ideia de criar um distribuidor de hóstias, para ajudar os padres a minorar o risco de contacto com os portadores do vírus.
O utensílio de distribuição é feito em ouro ou prata, e lá são introduzidas diversas hóstias para depois serem distribuídas durante a comunhão, permitindo assim que o sacerdote evite pegar na hóstia com a mão.
Em vez disso, pressiona um manípulo que faz sair uma hóstia para a mão ou para a boca de que vai comungar.
Reparem no potencial de negócio que isto representará para a conhecida marca PEZ, que já distribui desta forma as guloseimas há imensos anos.
Já têm o know-how e a cadeia de distribuição bem montada e portanto, aproveitando a onda, poderão lançar um modelo de PEZ Cristão, dando ainda mais força ao negócio.
Parece que já estou a ver os slogans promocionais “PEZ na Terra aos homens por Ele amados” ou “Vão com PEZ e que o Senhor vos acompanhe” ou ainda “Dou-vos o PEZ, levem o meu PEZ” acompanhados por uma imagem do dispensador, que poderá ser semelhante ao de baixo.

Arcashopping

Dezembro 6th, 2009
Acordar a um Domingo de manhã e sair de casa cedinho para ir trabalhar já não é fácil, mas hoje de manhã foi particularmente difícil porque implicou que me tenha embrenhado num dilúvio de dimensão bíblica.
É certo que o domingo é talvez o dia mais propenso a analogias bíblicas, mas não havia necessidade de dar cabo do humor a uma pessoa logo de manhã, não é?
Pois é.
Foi precisamente em Noé que me lembrei durante todo o caminho.
Estive quase para arrancar a minha cara-metade da cama para ir comigo encontrar refúgio na arca desse senhor, mas depois lembrei-me que deve ser apertado lá dentro, já não é vista a navegar por aqui há muito tempo e como não tem muita concorrência deve ser extremamente caro, não é?
Provavelmente é.
Só que entretanto veio-me à mente que a arca dos tempos modernos são os centros comerciais.
Tem a vantagem de ser gratuito, ter lugar para estacionar e por isso é quase instintivo às primeiras pinguinhas de chuva em dia de descanso ir toda a gente aos pares, quartetos ou bairros inteiros, fazer filinhas e dar encontrões para os centros comerciais, não é?
Eu acho que é.
Como há muitos perto do sítio onde moro, fiquei mais descansado e deixei-a dormir, porque se a coisa azedar mesmo é só dar dois passinhos e fica a salvo.
Entretanto, quando a tempestade passar lá virá a Bonanza, não é?
Não, não é… quer dizer… devo estar com o cérebro húmido… não sei… parece que não é.