Tráfico de Seres Humanos

Novembro 25th, 2008
O Governo aprovou no passado mês de Outubro a criação do Observatório do Tráfico de Seres Humanos.
Fiquei na dúvida se isto não seria um nome pomposo para encobrir o tacho de alguns funcionários públicos que passam tardes inteiras, sentados numa esplanada do Rossio, a ver passar as pessoas.
Depois pensei melhor, apercebi-me que isto só fazia sentido se estivesse a falar de tráfego e não de tráfico, e que, se calhar, estava a ser preconceituoso em relação aos mui trabalhadores colaboradores do Estado.
Este Observatório deve ser a sério.
Estamos muito habituados a ver a palavra tráfico ligada à palavra estupefacientes, e é para mim muito difícil dissociar estas palavras.
Por isso mesmo é que imaginei logo este diálogo entre uma beata e um arrumador de carros viciado em seres humanos:

[Arrumador viciado em seres humanos] – Ó senhora, deia-me uma moedinha faxabôr. É pr’apanhar o autocarro. A minha mãezinha tá muito mal e eu tou desempregado. Só me falto cinquenta cêntimos.
[Beata] – Não, não! Que eu sei que isso é para gastar tudo em seres humanos!
[A] – Num é não, senhora. Tou-lhe a dezer que é pra comer.
[B] – Ainda agora me disseste que era para o autocarro!
[A] – Pois mas preciso de comer senão desmaio no autocarro, num é?
[B] – Não, não. Vocês não me enganam, com esses pijaminhas de seda todos rotos!
[A] – Ande lá! É só pra matar o bicho.
[B] – Ao menos admite que é para seres humanos!
[A] – É verdade. Desculpe lá. Mas tou memo à rasquinha.
[B] – Eu vi logo. Já te meteste nisto há muito?
[A] – Há um tempinho. Agora só me contento com seguranças de bares de alterne e concorrentes ao “Homem mais forte do Mundo”. Tou muito mal. Comecei muito cedo, por brincadeira. Com uns chavalitos!
[B] – Pois. É como aqueles fulanos da Casa Pia. Bandidos!

P. S. – O maior beneficiário do tráfico de seres humanos é, como se sabe, o senhor Ryan, que detém uma transportadora aérea de low-cost, que permitiu que o tráfico aumentasse muito nos últimos anos. Estará seguramente a ser observado neste preciso momento.


Trackback URI | Comments RSS

Leave a Reply

Name

Email

Site

Speak your mind